Uma criptomoeda (um tipo de moeda Digital descentralizada) é um meio de troca que se utiliza da tecnologia de blockchaine da criptografia para assegurar a validade das transações e a criação de novas unidades da moeda. O Bitcoin, a primeira criptomoeda descentralizada, foi criado em 2009 por um usuário que usou o pseudônimo Satoshi NakamotoDesde então, muitas outras criptomoedas foram criadas. Mais recentemente, temos assistido a um fenômeno de explosão de inúmeros tokens que têm sido criados com base no protocolo do Ethereum, principalmente após a onda massiva de Ofertas Iniciais de Moedas (usualmente referida como ICO, do inglês Initial Coin Offering) que ocorreu em 2017.

Ao contrário de sistemas bancários centralizados, grande parte das criptomoedas usam um sistema de controle descentralizado com base na tecnologia de blockchain, que é um tipo de livro-registro distribuído operado em uma rede ponto-a-ponto (peer-to-peer) de milhares computadores, onde todos possuem uma cópia igual de todo o histórico de transações, impedindo que uma entidade central promova alterações no registro ou no software unilateralmente sem ser excluída da rede.

Em 1998, Wei Dai publicou a descrição do “Dinheiro B”, um sistema eletrônico e anônimo de pagamento.[18] Pouco depois, Nick Szabo criou o “Bit Gold”.[19] Assim como o bitcoin e outras criptomoedas que o seguiram, Bit Gold era um sistema de moeda eletrônico que exigia seus usuários completarem uma função de prova de trabalho, com as soluções sendo criptograficamente computadas e publicadas.

A primeira criptomoeda descentralizada, o Bitcoin, foi criado em 2009 por Satoshi Nakamoto. Foi usada a SHA-256, uma função hash criptográfica, como esquema de prova de trabalho. Em abril de 2011, o Namecoin foi criada como uma tentativa de formar um DNS descentralizado, o que tornaria a censura na internet algo muito difícil. Em outubro de 2011, Litecoin foi lançada. Ela foi a primeira criptomoeda bem sucedida a usar scrypt como função de hash ao invés de SHA-256. Outra criptomoeda, Peercoin, foi a primeira a usar um híbrido de prova de trabalho e prova de participação. Muitas outras criptomoedas foram criadas, entretanto poucas obtiveram sucesso, devido à falta de inovação técnica que as mesmas trouxeram. Em março de 2014, surge a primeira criptomoeda com origem portuguesa, o CryptoEscudo. Em 6 de agosto de 2014, o Reino Unido anunciou que seu tesouro foi comissionado para fazer um estudo acerca das criptomoedas, e que papel, se algum, elas poderiam desempenhar na economia. O estudo também tinha como propósito definir se a regulação de criptomoedas deveria ser considerada. 

A partir de 2014, uma 2.ª geração de criptomoedas surgiu, como Monero, Ethereum e Nxt. Essas criptomoedas possuem funcionalidades avançadas como endereços escondidos e contratos inteligentes.

Em 2015 sugiu uma criptomoeda chamada RaiBlocks, resolvendo dois dos principais problemas do Bitcoin, as taxas e demora nas transações. Ao contrário do Bitcoin, RaiBlocks é instantânea e não há taxas para efetuar transações. Em 2018 a moeda foi renomeada para Nano.

Representantes dos bancos centrais afirmaram que a adoção de criptomoedas como o bitcoin é um grande desafio para a habilidade dos bancos em influenciar o preço do crédito para a economia. Também foi afirmado que, quando o uso de criptomoedas se torna mais popular, haverá uma perda da confiança dos consumidores nas moedas fiduciárias.

Jordan Kelley, fundador do Robocoin, lançou o primeiro caixa eletrônico de bitcoins nos Estados Unidos da América em 20 de fevereiro de 2014. O quiosque instalado em Austin, Texas, é muito semelhante aos caixas eletrônicos bancários, mas possui scanners para ler documentos emitidos pelo governo, como carteiras de motorista e passaportes, para identificar seus usuários.

A Fundação Dogecoin, uma organização beneficente que gira em torno do Dogecoin e co-fundada pelo co-criador do Dogecoin, Jackson Palmer, doou mais de $30.000 dólares em unidades de Dogecoin para ajudar a financiar a viagem da equipe jamaicana de trenó para os Jogos Olímpicos de Inverno em Sochi, Russia. A comunidade crescendo em torno do Dogecoin procura cementar suas credenciais beneficentes através do levantamento de fundos para patrocinar cães de serviço para crianças com necessidades especiais.

Entre 16 e 19 de maio de 2018, a cripto moeda Bitcoin Gold, uma vertente baseada da Bitcoin, sofreu um ataque de 51%, onde o hacker controla 51% do poder de processamento para forçar o registro de uma operação falsa. O hacker pode ter roubado até US$ 18 milhões.

O chamado “ataque de 51%” é a falha fundamental que existe no modelo de “blocos encadeados” (“blockchain”) adotado pelas criptomoedas e ocorre quando um indivíduo ou grupo obtém mais de 51% de todo o poder de processamento disponível para a rede. Para evitar essa falha, é preciso que a moeda tenha um grande número dos chamados mineradores atuando de forma independente.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *